Bossa Nova

30/09/2010 § 2 Comentários

Olá meu povo, tudo bien?

Nesse post eu vou falar de um tema que surgiu no Brasil e acabou encantando o resto do mundo, a Bossa Nova.

Antes da década de 50, aqui no Brasil se ouvia muito bolero que era de umas letras muuuito deprês e melancólicas muito paradinhas (que eu até gosto) no que no máximo se animava a uma seresta ou uma valsa. A partir de 50, isso foi mudando e lá pro final da década surgiu a Bossa Nova.

A palavra bossa, era uma gíria muito usada na época que significava jeito, modo. Quando alguém fazia algo de modo diferente, original, de maneira fácil e simples, dizia-se que esse alguém tinha ‘bossa’. E assim veio a Bossa Nova com novos ritmos, poesias e uma harmonia totalmente diferente do que já tinha visto antes. A Bossa Nova não seria melhor nem pior.

Seria completamente diferente de tudo, mais intimista, mais refinada, mais alegre, otimista. Ela nem era um gênero musical e sim um modo novo de cantar e tocar. Com o tempo ela foi se tornando sucesso e claro, seus seguidores também.  Gilberto Gil, Vinícius de Moraes e Tom Jobim foram um dos primeiros nomes a surgir. Os músicos se encontravam casualmente em casas como de Nara Leão, por exemplo.  Nestes encontros, cada vez mais freqüentes, a partir de 1957, um grupo se reunia para fazer e ouvir música e depois criaram o Primeiro movimento musical brasileiro egresso das faculdades, já que os primeiros concertos foram realizados em campus universitário, pouco a pouco aquilo que se tornaria a bossa nova foi ocupando bares do circuito de Copacabana, no chamado Beco das Garrafas.

A bossa nova iniciou-se para muitos críticos quando foi lançado, em agosto de 1958, um compacto simples do violonista baiano João Gilberto (considerado o papa do movimento), contendo as canções Chega de Saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) e Bim Bom (do próprio cantor).

Um dos maiores expoentes da bossa nova comporia um dos marcos do fim do movimento. Em 1965, Vinícius de Moraes compôs, com Edu Lobo, Arrastão. A canção seria defendida por Elis Regina no I Festival de Música Popular Brasileira. Era o fim da bossa nova e o início do que se rotularia MPB, gênero difuso que mostraria diversas tendências da música brasileira até o início da década de 1980 – época em que surgiu um pop rock nacional renovado.

A MPB nascia com artistas novatos, da segunda geração da bossa nova, como Geraldo Vandré, Edu Lobo e Chico Buarque de Holanda, que apareciam com freqüência em festivais de música popular. Bem-sucedidos como artistas, eles tinham pouco ou quase nada de bossa nova. Vencedoras do II Festival de Música Popular Brasileira, realizado em São Paulo em 1966, Disparada, de Geraldo, e A Banda, de Chico, podem ser consideradas marcos desta ruptura e mutação da bossa em MPB.

O fim cronológico da bossa não significou a extinção estética do estilo. O movimento foi uma grande referência para gerações posteriores de artistas, do jazz a uma corrente pós punk britânica. No rock brasileiro, há de se destacar tanto a regravação da composição de Lobão, Me chama, pelo músico bossa-novista João Gilberto, em 1986, além da famosa música do cantor Cazuza composta por ele e outros músicos, Faz parte do meu show, gravada em 1988, com arranjos fortemente inspirados na Bossa Nova.

Seu relicário é valioso, deixando várias jóias da música nacional, dentre as quais Chega de Saudade, Garota de Ipanema, Desafinado, O barquinho, Eu Sei Que Vou Te Amar, Se Todos Fossem Iguais A Você, Águas de março, Outra Vez, Coisa mais linda, Corcovado, Insensatez, Maria Ninguém, Samba de uma nota só, O pato, Lobo Bobo, Saudade fez um Samba e dentre outras músicas que a gente canta e nem sabe que é bossa.

A bossa-nova não morreu. Nunca morrerá. Assim como qualquer movimento artistico-cultural de qualidade. O movimento bossa-nova passou. movimentos artisticos se limitam à sua época, ao seu lugar de criação, representam aquele tempo e aquele espaço. Ademais, para não aprofuindar, é preciso distinguir o ritmo bossa-nova, criado no movimento da bossa-nova. o ritmo está mais vivo do que nunca, não em remixes, mas sim tocado em todo mundo e sendo ensinado nas grandes escolas mais respeitadas do mundo. Este ritmo, que influenciou a múesica mundial está presente, e mais vivo do que nunca” Luiz Augusto

Bossa para todos os gostos:

Bossacucanova-  O grupo combina a Bossa nova tradicional com a música eletrônica.

Beijos da Joy =*

Anúncios

§ 2 Respostas para Bossa Nova

  • N disse:

    Do tempo em que música brasileira era de verdade.
    Eu lembro de ouvir muita Bossa na infância. A gente cresce e nossas músicas mudam, mas as boas mesmo, as que marcaram de um jeito tempos atrás, marcam ainda hoje.

  • Renata disse:

    Nossa, que orgulho da minha filha! Adorei o seu post concordo com tudo que você escreveu. A bossa nova NUNCA será esquecida!
    Te amo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Bossa Nova no Doces Meninas.

Meta

%d blogueiros gostam disto: