ENEM – EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO

11/11/2010 § 2 Comentários

“Ideologia! Eu quero uma pra viver”

Eu quero uma ideologia pra viver. Eu quero uma ideologia feita por mim e que tenha o mesmo poder que todas as outras. Quero algo que me impeça de saber que participo de injustiça; que me faça acreditar que não vivo apenas por dinheiro e que meu conhecimento sirva pra minha vida e não só pra status. Esse final de semana, fiz o Enem e acredito que depois de tantos problemas ocorridos, tanto quem fez quanto quem não fez, sabe do que estou falando.  Eu quero uma ideologia, para não enxergar os absurdos ocorridos nesse país.

’Eu vou pagar A conta do analista Pra nunca mais Ter que saber Quem eu sou’’

 

Só vivendo a base de ideologias pra agüentar tanta coisa e não surtar.  Após 4 a 5 horas exaustivas de prova, com período de tempo de menos de um dia de uma para outra, todos que fizeram puderam sentir na pele, ou melhor, no pescoço, o quanto estamos nos sentindo injustiçadas pela anulação do Enem. Nós estudamos 13 anos pra demonstrar em uma prova e se errarmos perdemos a oportunidade e sonho de nossas vidas. É uma pena que o comprometimento e a exigência do INEP com os alunos não seja feita com toda dedicação e esforço quanto nosso com o Enem.

Com toda essa situação me perdi. Afinal pro INEP, quem eu sou? Infelizmente cheguei à conclusão que eu, você e as demais pessoas que fizeram o Enem somos realmente apenas números, ou melhor, cores de provas. Pra eles nós não temos sentimentos, não temos sonhos, enfim…

“Os meus sonhos foram todos vendidos, tão barato que eu nem acredito. Ah! eu nem acredito…”

O tema da redação do Enem era o trabalho na construção da dignidade humana. Se eu pudesse refaria minha redação, vou tentar mostrar o porquê a vocês. Primeiramente, para se ter um trabalho nós precisamos de um curso superior, o que é ineficiente no caso do próprio texto de apoio da redação, sobre trabalho escravo. Para ingressar em um curso superior, precisamos passar pelo tão esperado Enem e ter uma ótima avaliação, afinal são milhares de pessoas em busca da sua profissão. Com isso, podemos concluir ate o ponto, que a base da construção da dignidade humana, antes mesmo do trabalho, é a educação.

Mas, o instrumento que mede a educação e é responsável pelo futuro desses alunos, é o Enem. Ele é desorganizado fazendo com que essas milhares de pessoas façam provas, se decepcionem, se desestimulem quanto ao seu ensino. Assim a construção da dignidade humana no país é feita pelos erros no trabalho do inep, que por alguma ironia, acham que podem contribuir com a construção da dignidade humana com esta prova prova.

Em todo esse tempo fazendo esse texto eu so pensei em uma coisa: quando fui que vedi meus sonhos e mesmo assim cobrei tão barato?


Anúncios

§ 2 Respostas para ENEM – EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO

  • N disse:

    Texto incrível!
    E não há palavras que expliquem todo esse erro. Logo que houve o pedido de cancelamento lembrei da redação. Uma coisa é ‘pessoas são paradoxais a vida toda’ outra COMPLETAMENTE diferente é ‘as pessoas mais paradoxais serem responsáveis pelo meu futuro’. É o segundo ano consecutivo de erros. E até quando? Perdoamos uma vez, temos que perdoar uma segunda? E enquanto perdoamos vamos perdendo tempo. Porque não há uma forma de concertar e eles verem que nós, AO CONTRÁRIO DELES, não podemos perder tempo. Bem, se há, eles não fazem questão que saibamos.
    Não acho que o trabalho tenha os feito mais dignos. Por favor, comprometimento é o mínimo que se deve ter. Responsabilidade vem com o tempo, se aprende com um erro. E aí!? Quem comanda tudo isso são os filhos de 5 anos de cada um?
    Decepção é pouco perto do que sinto. Mais do que cansaço físico e mental, quem ficou sem dignidade, ao final, fomos nós! Desrespeito sem chances de desculpas.

  • docesmeninas disse:

    É Nívia, você falou a palavra certa. Decepção é o que define… Meu pai deu uma crise giga porque eu não quis fazer o ENEM este ano. Primeiro que ainda não entrou na minha humilde cabeça que uma única prova lotada de erros irá definir o meu futuro. Como assim? E os 13 anos que passei dentro de sala de aula? E as nove horas por dia que estudei? E as noites que eu não dormi? Como uma prova falha, erronea tem o direito de dizer se eu estou apta a fazer parte de uma universidade? A cada ano que eles erram, é um ano a menos pra mim. Um ano a menos da minha chance. Um ano a menos nos meus 13, 14 anos estudando. Esse é o Brasil que o povo grita SANGUE VERDE E AMARELO. Esse é o patriotismo ferrado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento ENEM – EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO no Doces Meninas.

Meta

%d blogueiros gostam disto: